Monday, 22 October 2012

Cooking as Leonardo did...

Associating the name Leonardo with some of the most amazing paintings of the Italian Renaissance is natural for most of us. It is well known that this great master of western painting was also a brilliant draughtsman, an architect, a mechanical engineer, but what many people ignore is the fact that Mr. da Vinci was also an exquisite chef and a meticulous apologist of good manners in the courtly feasts.
For about thirty years Leonardo mastered the kitchens and the banquets of Ludovico Sforza – evidence of Leonardo`s talent in this field as well – but prior to this he had also worked in a modest eatery known as the “Tavern of the Three Snails” (which was originally on the Ponte Vecchio), though he eventually lost his job there because the dishes he produced were too small and exquisite for the hungry clients.


Only in 1981 the precious Codex Romanoff was discovered. This was where Leonardo used to take note of these recipes and thoughts on cookery and etiquette. The codex also shows diverse projects for machines, designed by Leonardo himself, as aids in kitchen work. These are absolutely amazing gadgets. From the spaghetti stretcher to the pepper grinder inspired by the Sforza tower, this manuscript is an amazing source, not only for the cooking tradition of the Italian 16th century, but also a mirror which reflects another facet of his genius!
Although Leonardo presented a big diversity of dishes which go from seal meat to frog's legs, he was a serious vegetarian. Leonardo also tried to innovate when it came to the characteristics and techniques of his recipes. He started a new style of presenting and preparing food, something along the lines of  nouvelle cuisine I would say, which was uncommon at that time.
 Among Leonardo's favourites there were chick-pea soup, almond pudding and fried figs and beans. He also gives much advice on cooking polenta, given that it was the “signature dish” of the “Tavern of the Three Snails”.

Spaghetti stretcher  by Leonardo da Vinci
Machine to slice eggs
Pepper grinder by Leonardo
Multiple ways of folding napkins
For more information, images or even some adventure in the kitchen read Leonardo's Kitchen Notebooks: Leonardo da Vinci's notes on cookery and table etiquette.

For now a small and quick recipe, so you can try a “da vincian” flavour at home:


Leonardo’s Salad Dressing

Ingredients
 10 teaspoons minced fresh Italian parsley
1 teaspoon minced fresh spearmint
1 teaspoon minced fresh thyme
salt to taste
Freshly and coarsely ground black pepper
3/4 cup olive oil
1/4 cup wine vinegar
Combine all ingredients in a jar and shake well. Serve it with a salad Platina-style, consisting of lettuce, mint, fennel, parsley, thyme and marjoram.

My experiment 
Enjoy!

______________
Associar o nome de Leonardo da Vinci às mais maravilhosas obras do Renascimento italiano é algo certamente natural para todos. Todos sabemos que este grande mestre da pintura ocidental foi também um desenhador brilhante, um grande arquitecto ou engenheiro mecânico, mas algo que muitos desconhecem é o facto de “da Vinci” ter sido um chefe requintado e um apologista meticuloso das boas maneiras à mesa.
Durante cerca de trinta anos, Leonardo coordenou as grandes cozinhas e banquetes de Ludovico Sforza – evidência do seu talento inegável neste campo – e anteriormente havia trabalhado na modesta casa de repasto, conhecida como “A Taverna dos três caracóis” (originalmente junto à Ponte Vecchio), trabalho esse que cedo perdeu dadas as pequenas e requintadas porções que procurava apresentar aos seus “vorazes” clientes.

Somente em 1981 foi descoberto o preciso Codex Romanoff. Este era o caderno onde Leonardo tomava nota de todas as suas receitas e pensamentos em torno da gastronomia e etiqueta e onde projectava diversas máquinas auxiliares no trabalho de cozinha.
Estes eram mecanismos absolutamente fantásticos. Desde esticadores de spaghetti a moinhos de pimenta inspirados na torre Sforza, este manuscrito constitui uma fonte sublime não somente no que toca à tradição culinária italiana no século XVI, como também um espelho desta faceta deste grande génio!

Embora Leonardo apresente uma grande diversidade de pratos, que vão desde a carne de foca às pernas de rã, o pintor era na realidade um sério vegetariano. Este procurou também inovar quando às características e técnicas das suas receitas, dando início a um estilo de apresentação e confecção que eu diria próximo da actual “nouvelle cuisine”, nada comum nesta época.
Entre os seus pratos favoritos encontravam-se a sopa de gão, o pudim de amêndoas e os figos e feijões fritos. Na sua obra deu particular destaque à confecção de polenta, considerando que esta era um verdadeiro “prato de assinatura” da famosa “Taverna dos três caracóis”.

 Para mais informações, imagens ou mesmo para se aventurar na cozinha não deixe de ler esta obra “Notas de cozinha de Leonardo da Vinci”(edição Temas da Actualidade).
  Tenho também a certeza que irá faze-lo rir bastante!


Mas por agora deixo uma pequena receita “da vinciana” que pode experimentar em casa:

Tempero para salada de Leonardo da Vinci

Ingredientes
10 colheres de chá de salsa italiana finamente cortada
1 colher de chá de menta fresca finamente cortada
1 colher de chá de tomilho finamente cortado
Sal a gosto
Pimenta preta moída na hora
¾ de um chávena de azeite
¼ de uma chávena de vinagre

Juntar todos os ingredientes num frasco e agitar bem. Servir com a salada “estilo platina” que consiste numa mistura de alface, menta, funcho fresco, salsa, tomilho e manjerona.
Espero que goste!




2 comments:

  1. Gostei tanto, tanto. Muito divertido e informativo e com um belo presente no fim. Keep up the good work!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Muito obrigada Filipe! Agradeço imenso o feedback e o interesse constante!

      Delete